14 de fevereiro de 2007

Atlântida

Este continente lendário, que durante a minha infância era ilha e eu visitava vez ou outra dentro de meu carrinho-submarino, me recebeu em excursão com minha caravana de pensamentos insones. Atlântida – suas estórias e mitos – fascina e de certa forma representa uma laguna entre a África, as Américas, a Europa e a Ásia e poderia pertencer à Oceania se não tivesse se rendido ao oceano. Tanto faz crédulos ou incrédulos, Atlantis é uma presença ausente, assim como a saudade. Consta que as primeiras menções sobre Atlântida foram feitas pelo filósofo grego Platão; a palavra saudade, ou outra compatível, nunca existiu para Platão e gregos. Talvez esta vala no vocabulário, a ausência de uma palavra que dissesse tudo que a saudade nos diz tenha impedido que a Saudade tivesse sua própria deusa, que chamaria Atlântida.
Desta vez não foi como na minha infância, onde os dinossauros habitavam este antigo continente. Onde, mesmo sem saber, seu misterioso sumiço não representava uma tragédia sísmica. Quando ia para Atlântida, voltava no tempo e ingressava numa terra que misturava os Sacis-Pererês com as sereias e a rosa-dos-ventos perdia suas pontas. Para voltar para lá quase vinte anos mais tarde, não comprei passagem, não tirei passaporte ou recebi carta de cor violeta – como em As Intermitências da Morte de Saramago. Fiquei no mesmo lugar enquanto outros partiam: uns com bilhete de volta, outros sem. E quando cheguei, na terra onde antes o tempo custava a passar, tive a impressão que ele – o tempo – havia se adiantado. Atlântida surgiu sob meus pés e carregava muita ternura com cheiro de crisântemo. Na mesma concha que vi pela última vez um casal de sereias negras, tem uma cadeira de madeira com meu avô sentado. Sorrindo. Na moita em que saci morava e saia todo fim de tarde, tenho nove anos, o rosto sujo, e a camiseta do São Paulo rasgada por ter enroscado num galho quando tentei recuperar minha primeira bola de capotão. Tem o vizinho que devolvia a bola quando caía em seu quintal, tem o vizinho que rasgava a bola. Mas nenhum deles se mexe. Pertencem à minha Atlântida e à Atlântida de todos que os conheceram.
No entanto, nem tudo na minha terra oceânica parecia museu de cera. Há os que compraram passagem, voaram, foram e me trouxeram até aqui. Eles andam e correm e divertem-se entre si. Alguns estão felizes, outros nem tanto. Devem me encontrar em suas Atlântidas também, mas, só, só posso imaginar como me vêem. Os mais velhos podem preferir me encontrar criança, talvez um bebê estático, sem os vícios do que eu sou. E sem um retrato – como o de Dorian Gray – que estampe as marcas de meus atos imorais mostrando com clareza o que me tornei, apenas lamento lembrar que eu mandei alguns a Atlântida e com o passar do tempo eles me expulsaram de seu continente.

6 comentários:

Susana - Tui disse...

Mais uma vez muito bacana seu texto LG.
Um pouco melancólico, resignado, mas sempre prazeiroso degustá-lo.
Ahh... acho que estou aderindo a este mundo de blog. Já até lembrei de vc na hora da criação. Vamos ver o que dá...
beijos

Anônimo disse...

Gostei bastante, sou tio coruja e pretendo ser leitor assíduo. Sucesso.

Tio Luiz

Anônimo disse...

Acompanho você mesmo de longe. Excelente.

Tia Ana

cissa disse...

Gostei muito dos seus textos!Vc escreve bem pacas...Bj

Anônimo disse...

Benditas entrelinhas onde reconheci algumas vistas das suas lembranças submersas como sendo minhas, afinal nossas Atlântidas em muitos momentos se confundem.
Seus textos são universais, mas alguns leitores poderão se vangloriar de, em maior grau, terem feito parte da matéria bruta que você agora transforma em inestimável acervo de sensíveis emoções. Este que, imediatamente passa a pertencer a todos que o visitam, inclusive ao seu grato irmão.

Parabéns!!

Anônimo disse...

Esqueci de assinar o de cima...rsrs

Otávio Novo